Home > Dicas de viagem > O que fazer em Cape Town: roteiro para 3 dias de viagem

O que fazer em Cape Town: roteiro para 3 dias de viagem

Este não é daqueles destinos turísticos óbvios, que todo mundo associa logo ao pensar em viagem. Contudo, é surpreendente, pela hospitalidade, pelos sabores, pelas belezas. Há muito o que fazer em Cape Town! Esta lista é só uma sugestão de roteiro, que você pode (e deve) adaptar à vontade.

Sinta-se livre, primeiro porque organizamos em 3 dias de roteiro, mas pode ser que você tenha mais (ou menos tempo). Também, porque algumas dicas de o que fazer em Cape Town talvez lhe chamem mais atenção que outras.

Navegue pelos dias!

Passe turístico e dicas práticas

Conforme o seu roteiro por Cape Town, pode ser que o passe turístico Cape Town CityPass seja vantajoso. Isso porque ele oferece entrada liberada a mais de 70 atrações e transporte incluído (ônibus Hop On-Hop Off).

Para confirmar se vale a pena, faça a soma do valor de todas as atrações e do transporte (simule com o Uber, por exemplo). Se a quantia for maior que o preço do passe, então vale a pena comprá-lo; caso contrário, não. Isso, é claro, financeiramente falando, já que o ônibus não é tão flexível como apps de carro, por exemplo.

Vinícolas de Stellenbosch e Franschhoek

Outro programa procurado pelos turistas é a rota dos vinhos em Cape Town, Stellenbosch e Franschhoek. Nessas cidadezinhas situadas nos arredores da capital, há diversas vinícolas, que realizam tours e degustação de vinhos premiados.

Além da sugestão de roteiro, listamos alguns restaurantes, hotéis e vinícolas diferentes daquelas que visitamos na região. Assim, você tem mais liberdade para escolher entre as variadas opções.

O que fazer em Cape Town: dia 1

O primeiro dia deste roteiro por Cape Town começa em Robben Island, prisão em que ficou Nelson Mandela. Depois passa pelas lojas e restaurantes do V&A Waterfront. Já de tarde, sobe na pitoresca Table Mountain e aprecia um belíssimo pôr do sol na praia.

#PIInforma: os valores e câmbio aqui divulgados correspondem à época da nossa viagem (janeiro/2019), quando R1 = R$ 0,27; informamos os preços para ajudar você a se planejar, então considere-os como referência e pesquise os valores vigentes nos dias do seu embarque.

Robben Island (prisão de Nelson Mandela)

entrada prisao nelson mandela robben island

Entrada da prisão de Nelson Mandela | Foto: Wikimedia

É indiscutível a importância de Nelson Mandela na história da África do Sul e, quiçá, do mundo. O ex-presidente sul-africano passou 27 anos preso, 18 deles na Robben Island, que hoje é aberta para visitação guiada.

Os ingressos ficam à venda on-line, no site oficial da Robben Island, e presencialmente, no deque de onde partem os barcos.

Chegando à ilha, há um tour de ônibus pelas instalações e, finalmente, a caminhada dentro da prisão. O ponto alto é a cela em que vivia Nelson Mandela.

Esse passeio pela Robben Island dura, em média, 4 horas, incluindo ida, visitação e volta. Caso esteja ventando muito, os organizadores cancelam o tour e devolvem o dinheiro.

  • Endereço: Mandela’s Gateway to Robben Island, em V&A Waterfront
  • Horários: todos os dias, às 9h, às 11h, às 15h
  • Preço: R360 (R$ 97,82) – vendas on-line e no local de partida
  • Passe turístico: não incluído

Foto por Moheen Reeyad, no Wikimedia Commons, sob Creative Commons 4.0.

V&A Waterfront

regiao va waterfront cape town

V&A Waterfront em Cape Town | Foto: Pixabay

Esse belíssimo centro comercial à beira-mar reúne lojas, hotéis, restaurantes, cartões-postais e até museus. Por isso, é um lugar altamente turístico. Mas no bom sentido da palavra, já que uma caminhada por ali é pra lá de agradável.

Ao desembarcar de volta do passeio na Robben Island, a pedida é um almoço no V&A Waterfront, local repleto de atrações. Desse modo, junta o útil ao agradável: explora um pouco da região e enche a barriga.

Pessoalmente, nós experimentamos 2 restaurantes na região: o Gold e o bar do hotel One&Only (onde nos hospedamos). Por ser um bar, o forte são os drinks e petiscos, portanto não espere uma refeição completa.

O Gold serve culinária africana e se destaca pelo ótimo atendimento, bela decoração e clima animado, com música ao vivo. Embora a comida seja satisfatória, achamos o preço alto, pois pagamos cerca de R440 (R$ 120) por pessoa. Como os pontos fortes e fracos se equilibram, deixe-o como opção, mas não o priorize; pesquise outros também.

Até listamos 30 restaurantes para escolher em Cape Town, dos quais 6 ficam no V&A Waterfront. Então confira a lista – que tem um mapa – para tomar a sua decisão!

Foto por Pixabay, sob domínio público.

Table Mountain Aerial Cableway

table moutain quadro amarelo

Table Mountain vista de Signal Hill | Foto: PxHere

Sabe aquela montanha espetacular que você vem observando desde que chegou à cidade? É o seu próximo destino! Afinal, impossível falar sobre o que fazer em Cape Town sem mencionar a subida na Table Mountain.

Principal cartão-postal da capital sul-africana, essa montanha tem o topo plano, daí o nome “Montanha da Mesa”, em tradução literal. Tem pouco mais de 1000 m de altitude, altura suficiente para uma vista de tirar o fôlego.

A subida para o mirante da Table Mountain pode ser pelo teleférico ou pela trilha a pé. Lá em cima, tem restaurante, loja, cafeteria e até lounge com Wi-Fi, para ajudar na postagem daquele stories no Instagram, por exemplo. E como não podia faltar, também se fazem tours guiados, gratuitamente.

Para esse passeio, mais que os outros, recomendamos que vá de Uber ou transporte público, ainda mais em alta temporada. Isso porque o estacionamento próximo ao teleférico costuma encher, o que obriga a parar a até 1 km de distância e seguir a pé.

  • Funcionamento: varia ao longo do ano, ex., janeiro: das 8h às 19h30; fevereiro e março: das 8h às 19h; abril: das 8h às 18h30.
  • Preço: varia conforme o horário do dia e idade; ex., adulto, ida e volta, entre 8h e 13h: R330; entre 13h e 19h30: R290
  • Passe turístico: CityPass
  • Endereço: 5821 Tafelberg Road, Table Mountain
  • Mais informações: site oficial

Foto por PxHere, sob domínio público.

Mirante alternativo

signal hill cape town

Vista do mirante de Signal Hill | Foto: Passagens Imperdíveis

Se não quiser subir na Table Mountain, mas faz questão de uma vista incrível, adicione esta dica ao seu roteiro por Cape Town. Trata-se do Signal Hill, um mirante que fica na região da montanha, mas afastado dos bondinhos.

Há quem faça trilhas e piqueniques no local. Também é famoso por ser onde se disparam tiros de canhão todos os dias, ao meio-dia em ponto. Por fim, dali se tem vista privilegiada para a Lion’s Head, outra conhecida montanha de Cape Town.

De fato, você conseguiria visitar ambos no mesmo dia, mas acelerando um pouco o roteiro ou abrindo mão de algo.

Pôr do sol na praia

Contemplar o pôr do sol é item certo nesta lista de o que fazer em Cape Town. O melhor (talvez o difícil) é que sobram candidatos a mirante. A começar pela Table Mountain e Signal Hill, onde seria válido finalizar o roteiro do dia, para curtir com calma.

Agora, se você deseja seguir explorando a cidade, uma sugestão é escolher um restaurante de frente pra praia.

Clifton Beach

Pedras de granito separam as 4 praias que formam esse conjunto, situado no bairro mais caro de Cape Town. Nessa área residencial, beleza e riqueza andam de mãos dadas.

Nossa indicação nessa praia é o restaurante The Bungalow. O cardápio tem desde comida vegetariana e frutos do mar até variados drinks, vinhos e champanhes.

Camps Bay

Apenas 2 km separam esta da outra praia, portanto é questão de mero gosto decidir qual visitar. A principal diferença é que a estrutura da Camps Bay é mais voltada aos turistas, tanto que o ônibus Hop On-Hop Off tem parada lá.

Selecionamos 2 restaurantes para você escolher onde tomar um drink enquanto o sol se põe.

O primeiro é o The Leopard, anexo ao hotel 12 Apostles, com grande carta de cervejas e drinks a base de gin. Já o Chinchila Rooftop Bar grita aos olhos pela decoração temática praiana, música ao vivo e cardápio diversificado.

O que fazer em Cape Town: dia 2

Prepare-se para conhecer a Chapman’s Peak, a estrada mais bonita de Cape Town! O primeiro destino dessa jornada é o Cabo da Boa Esperança, seguido pela divertida praia dos pinguins. Encerrando, a vinícola mais antiga do país.

Cabo da Boa Esperança (Cape Point ou Cape of Good Hope)

Vista fascinante do Cabo da Boa Esperança | Foto: Passagens Imperdíveis

São pelo menos 3 os nomes que você encontrará se referindo ao mesmo local. Então vá se acostumando, para não se perder com as placas.

Visitar o Cabo da Boa Esperança é vantajoso em dose tripla: a maravilhosa estrada de ida – Chapman’s Peak; a incrível paisagem do Cape Point; a importância histórica do local.

Esse é o ponto onde os oceanos Índico e Atlântico se encontram. Foi ao contorná-lo pela primeira vez, há mais de 500 anos, que os europeus constataram a possibilidade de ir direto à Índia. Daí, conseguiram comprar temperos e iguarias a preços bem menores. (O povo daquela época já apreciava receitas com gengibre, canela e afins!)

Apesar de distante da Montanha da Mesa, o Cabo da Boa Esperança fica numa área administrada pelo Table Mountain National Park. Por isso, deve-se pagar uma “taxa de conservação” para visitá-lo.

  • Funcionamento: varia ao longo do ano; ex., abril a setembro, todos os dias, das 7h às 17h; outubro a março, das 6h às 18h
  • Preço: R303
  • Passe turístico: não coberto
  • Mais informações: site do parque

Como chegar ao Cabo da Boa Esperança

tunel chapman's peak drive cape town

Estrada Chapman’s Peak Drive | Foto: Wikimedia

Saindo de V&A Waterfront, a distância até Cape Point é de 72 km, cerca de 2 horas de viagem. Para esse passeio, optamos pelo Uber, em vez de alugar carro, pois pretendíamos tomar vinho depois. Dessa forma, combinamos com um motorista do aplicativo (que havíamos andado antes) para passar o dia com a gente.

Na verdade, em Cape Town é bem comum “fechar” um valor fixo para o motorista levar a diversos lugares, como um chofer mesmo. O que nos levou se chama Nash, cujo carro é uma confortável Mercedes. O telefone dele é 27 78 403 2695. (Ele não só autorizou, como também pediu para indicá-lo aos seguidores!)

Também há empresas de turismo que realizam este e outros passeios por Cape Town. Uma delas é a Go Cabz. O ônibus Hop On-Hop Off do Cape Town CityPass não vai até o Cape Point.

Se você alugar carro e passar pela Chapman’s Peak, deverá pagar o pedágio, que custa R47 (R$ 12,47).

Foto por: Mwgielink, na Wikimedia Commons, sob Creative Commons 3.0.

Boulders Beach (praia dos pinguins)

boulders beach praia pinguins cidade do cabo

Pinguins vivem em área preservada | Foto: Passagens Imperdíveis

O pinguim africano, única espécie de gênero nativa do continente, está ameaçado de extinção. Por isso, iniciativas como a colônia natural em Boulders Beach são de extrema importância para essa adorável ave.

Ao visitar a praia, na qual o território dos pinguins é isolado dos humanos, se contribui para preservar a espécie. Assim como o Cape Point, quem cuida do local é o Table Mountain National Park, que cobra uma taxa administrativa dos visitantes.

Conforme você verá no mapa ao final desta seção, a praia dos pinguins fica, literalmente, no meio do caminho de volta do Cabo da Boa Esperança. Logo, o mais conveniente em sua lista de o que fazer em Cape Town é programá-los para o mesmo dia! Por isso a ideia de fechar com o motorista para rodarem o dia todo.

  • Funcionamento: varia ao longo do ano; ex., dezembro e janeiro, todos os dias, das 7h às 19h30; fevereiro e março, das 8h às 18h30
  • Preço: R152 adulto; R76 criança
  • Passe turístico: não coberto
  • Endereço: Klentuin Road, Simon’s Town
  • Mais informações: site do parque

Dependendo do horário em que terminar a visita, se o estômago roncar, entre os diversos restaurantes, anotamos 2. Tanto o Seaforth quanto o Saveur servem frutos do mar, carnes, sanduíches e pratos típicos africanos. Os preços, em média, são de R125 (R$ 34) por pessoa.

Groot Constantia

groot constantia vinicola de cape town

Plantações na Groot Constatia, vinícola em Cape Town | Foto: Passagens Imperdíveis

É hora de provar a bebida da vinícola mais antiga em atividade da África do Sul. A Groot Constantia existe desde 1685, ou seja, mais de 300 anos de tradição. Não é à toa que dura há tanto tempo, pois o pessoal que trabalha ali é incrivelmente bem-educado e profissional.

Hoje, além da visita guiada pelas (belas) plantações, eles promovem degustação de vinhos, inclusive harmonizando com chocolate. Curioso, não? Para nós, foi uma delícia terminar ali esse dia de roteiro por Cape Town.

De noite, uma leve caminhada nos arredores de V&A Waterfront, bem em frente ao hotel. Por essas e outras que recomendamos essa região para se hospedar na cidade.

  • Funcionamento dos tours e degustações: todos os dias, das 9h às 16h tours guiados saem de hora em hora
  • Preço: a partir de R90 a degustação simples
  • Passe turístico: CityPass
  • Endereço: Groot Constantia Road
  • Mais informações: site oficial

O que fazer em Cape Town: dia 3

Da arte contemporânea do Zeitz MOCCA ao bairro histórico Bo-Kaap. Parada nas badaladas ruas Bee Street e/ou Long Street. Contemplação da natureza no jardim botânico Kirstenbosch. Jantar no mercado gastronômico The Old Biscuit Mill. Este é o terceiro dia de roteiro em Cape Town!

Zeitz MOCAA (Museu Africano de Arte Contemporânea)

museu zeitz mooca cape town

Fachada do museu na V&A Waterfront | Foto: Pixabay

Se Nova York tem o MoMA como um dos pontos turísticos, Cape Town tem o Zeitz MOCCA. Este é um museu de arte contemporânea com mais de 100 galerias, em que se expõem peças artísticas de africanos e imigrantes.

O primeiro impacto vem logo no lado de fora, pois o prédio chama bastante atenção. A torre mais alta, em forma retangular, exibe grandes janelas tridimensionais, que mais parecem cubos de gelo.

Lá dentro, obras que mexem com nossos sentidos. Algumas de aparência claramente inspirada na estética africana, outras são mais abstratas e experimentais. Por isso, é um programa interessante para os admiradores desse tipo de arte.

  • Funcionamento: todos os dias, das 10h às 18h; primeira sexta-feira do mês: das 10h às 21h
  • Preço: R190 adulto; entrada grátis para menores de 18 anos; R95 na primeira sexta-feira do mês, a partir das 16h
  • Passe turístico: CityPass
  • Endereço: V&A Waterfront (próximo ao ponto de partida do passeio da Robben Island)
  • Mais informações: site oficial

Foto por Pixabay, sob domínio público.

Boo-Kap (casas coloridas)

casas coloridas cape town bo kaap

Famosas casas coloridas em Cape Town | Foto: PxHere

Há quase 200 anos, escravos de origem asiática (Malásia e Indonésia) e africana, a maioria muçulmanos, habitava esse bairro. Quando libertados, em meados de 1830, coloriram suas casas em celebração.

Passados cerca de 100 anos, a região foi restaurada e elevada a ponto turístico, tanto pela  beleza quanto pela importância histórica. É mais ou menos o caso do Caminito, ponto turístico de Buenos Aires, que originalmente era despretensioso, mas se tornou importante para a cidade.

O auge do passeio são as casinhas no entorno das ruas Wale, Rose, Chiappini, Hellinger e Church. Afinal, boa parte das construções se concentram nessa área. Também há um pequeno museu na Wale Street, para quem deseja se aprofundar mais no contexto histórico do bairro.

  • Funcionamento do museu: seg. a sáb., das 9h às 16h
  • Preço: grátis se caminhar por conta própria ou pago, caso contrate agência com tour guiado; entrada no museu custa R20
  • Passe turístico: CityPass inclui visitação guiada na região
  • Endereço: 3 Wale Street, Boo-Kap
  • Mais informações: site do museu

#DicaPI: como o assunto são casinhas coloridas, que tal uma visita naquelas de Valparaíso, no Chile?

Foto por PxHere, sob domínio público.

Almoço com estilo

Bem próximo à região das casas coloridas, estão 2 ruas famosas em Cape Town pela variedade de restaurantes. Estamos falando de Long e Bree Street, que volta e meia disputam o título de lugar mais descolado da cidade.

Começando pela Bree Street, na imensidão de opções, separamos o Burguer & Lobster, uma hamburgueria artesanal, e o Clarke’s, uma decontraída lanchonete com diversos tipos de comida.

Por sua vez, a Long Street guarda, em meio a outros tesouros, a Royale Eatery, que serve mais de 50 tipos de sanduíches, e o South China Dim Sum, especializado em comida chinesa.

Kirstenbosch National Botanical Garden

jardim botanico kirstenbosch cape town

O parque parece até uma pintura | Foto: Pixabay

Arte, checado; história, checado; natureza: que comece o passeio! Como negar que há muito o que fazer em Cape Town? O Kistenbosch National Botanical Garden reúne praticamente toda a variedade do bioma sul-africano, um espetáculo de cores, formas e cheiros.

O programa, que pode ser independente ou guiado, é caminhar pelas trilhas observando a variedade de plantas, flores e rochas. Para pegar o tour – que dura 90 minutos –, deve-se chegar cedo, então o ideal é mudar a sequência do roteiro.

  • Funcionamento do jardim: todos os dias, das 8h às 19h (setembro a março); todos os dias, das 8h às 18h (abril a agosto)
    • Tour guiado: a sex., às 10h, 11h e 14h; sáb., às 10h
  • Preço: R70; preços especiais para crianças e estudantes; tour grátis
  • Passe turístico: CityPass
  • Endereço: Rhodes Drive
  • Mais informações: site oficial

Foto por Pixabay, sob domínio público.

The Old Biscuit Mill

old biscuit mill em cape town

Fachada do “shopping hipster” de Cape Town | Foto: Passagens Imperdíveis

O principal atrativo desse mercado gastronômico é a Neighbourgoods Market, realizadas aos sábados, das 9h às 14h, para vender comidas e produtos locais.

Nos outros dias da semana, funcionam restaurantes e lojinhas nos arredores, tanto que fomos jantar lá. O eleito foi o The Pot Luck Club & Gallery, uma excelente opção.

Pedimos uma série de pratos inspirados nos 5 sabores (salgado, doce, amargo, ácido e “umami”). Cada refeição saiu entre R80 (R$ 21,73) e R100 (R$ 27,17). Apreciamos todas as garfadas, portanto aprovadíssimo!

Bem perto, também está o The Test Kitchen, especializado em gastronomia moderna e eleito um dos melhores restaurantes do mundo. Apesar da localização fácil, conseguir lugar demanda esforço, já que as reservas se esgotam com meses de antecedência. Desse modo, o jeito é tentar, pelo menos!

  • Funcionamento do The Old Biscuit Mill: seg. a sex., das 10h às 16h; feira The Neighbourgoods Market, sáb., das 9h às 14h
  • Funcionamento dos restaurantes: varia para cada um
  • Preço: varia conforme o restaurante
  • Passe turístico: não incluído
  • Endereço: 375 Albert Road, Woodstock
  • Como chegar: Uber, carro alugado e transporte público
  • Mais informações: site oficial

#DicaPI: conheça o World’s 50 Best, que premia os melhores restaurantes do mundo! A lista inclui brasileiros, sabia?

Chegou ao fim o roteiro por Cape Town em 3 dias! Mas a sua viagem não precisa terminar aqui, afinal as vinícolas de Stellenbosch e Franschhoek estão logo ali, esperando por você! Sendo assim, aproveite para conhecê-las também!

Passagem aérea barata para Cape Town

Que tal economizar não só na viagem, já que a capital sul-africana é barata, como também na passagem? O Passagens Imperdíveis divulga promoções de passagens aéreas para destinos nacionais e internacionais, inclusive Cape Town. Desse modo, se você nos acompanhar, ficará sabendo em primeira mão!

Então siga a gente nas redes sociais (Instagram, Facebook e Twitter) e baixe o aplicativo gratuito. Assim, receberá notificações em tempo real de passagens aéreas promocionais e conseguirá comprá-las na hora, antes que acabem!

Seu roteiro por Cape Town tem tudo para começar bem antes mesmo de embarcar!

Veja mais dicas de viagem para a África!